Concessão de uso aponta para um novo tempo na história da Estação de Stevenson

Empresa de Araguari vence processo licitatório para utilização do prédio histórico da antiga Companhia Mogiana de Estradas de Ferro

Por Aloisio Nunes de Faria 13/09/2017 - 21:15 hs
Foto: Ascom/Prefeitura de Araguari
Concessão de uso aponta para um novo tempo na história da Estação de Stevenson
A Estação de Stevenson pertence ao acervo do patrimônio histórico de Araguari. Foto: Ascom/Prefeitura de Araguari

A estação de Stevenson, um dos poucos legados da antiga Companhia Mogiana de Estradas de Ferro existentes atualmente no município de Araguari, ganha mais um importante capítulo em sua história.

Construída em 1927, às margens da BR-050, entre os municípios de Araguari e Uberlândia, Stevenson ganhou finalmente, esta semana, uma empresa que se interessou na concessão de seu espaço, destinado, segundo o edital de concorrência, "para as atividades de restaurante, bar, festas, manifestações culturais e afins."

A vencedora do processo licitatório é a empresa Panificadora Carrijo, com sede em Araguari.


De acordo com a lei que rege o uso das instalações da estação, a empresa ganhadora da licitação fará uso do prédio com contrato de concessão remunerada pelo período de dez anos, podendo ser prorrogado por mais cinco anos.

Segundo informações da prefeitura, a Panificadora Carrijo tem 60 dias para começar a operar. O valor do aluguel mensal do prédio será de R$ 2.100,00.

| História

Conforme o livro "A Ferrovia em Araguari" (Editora Kelps/2012), das historiadoras Maria Aparecida da Glória Campos Vieira e Juscélia Abadia Peixoto, a estação de Stevenson deveria se chamar Itirahy, mas, com a aposentadoria do Inspetor-Geral da Cia. Mogiana, Carlos William Stevenson, alterou-se o nome, na sua inauguração em 10 de fevereiro de 1927, para o atual. Foi construída na então localidade de Fundão. O engenheiro morreu em 1946.

Em 1970, com a desativação da ferrovia naquele trecho, Stevenson ficou abandonada, deteriorando-se ao longo dos anos.

Já em estado precário de conservação, em 2002 o prédio foi tombado pelo patrimônio histórico do município de Araguari, tendo sido restaurado em 2012, quando estava prestes a ruir. 

Após a restauração e reforma – cujo projeto contempla a instalação de um restaurante, um museu ferroviário e um centro de informações ao turista –,  a estação foi licitada três vezes, mas sem êxito, tornando o patrimônio vulnerável ao vandalismo até os dias atuais.

A estação está situada com frente para a BR 050, no quilômetro 47 da rodovia. Sua área total é de 27.735,00 m², sendo 399,23 m² de área construída, incluindo área coberta fechada e varanda da Estação e Casa de Turma.