Concluindo ciclos

Por Ana Maria Campana 26/06/2017 - 08:34 hs

Todos nós passamos por momentos da vida em que nos sentimos ‘com a missão cumprida’ em determinados assuntos.

Sensação na maioria das vezes boa, pois nos leva sempre a pensar no amanhã.

Essa palavrinha desafiadora ‘amanhã’ pode nos induzir a uma viagem cujo destino nem sempre é conhecido por nós.

Quanto mais programamos este porvir, muitas coisas acontecem e, às vezes, nos distanciam das metas, ou as deixam mais distantes e o tal amanhã leva muito tempo a chegar.

Se a ansiedade encontrar você, ai as coisas podem se tornar mais difíceis e às vezes perigosas.

Sem dúvida, a calma é um dom que precisa ser cultivado, mas na maioria das vezes, a pressa em realizar ‘tudo hoje’ nos faz atropelar alguns fatos que precisam acontecer para que possamos dar valor ao resultado.

Não é fácil ‘esperar a bicicleta para o final do ano’, porque não agora?

Repito: é necessário esperar os acontecimentos. A vida é cíclica, e isso não é novidade, por isso, a título de sugestão mantenha a calma, seja persistente e tenha fé.

Isso mesmo, a fé jamais deverá ser negligenciada. E digo ‘fé’ não só religiosa, mas a título de esperança mesmo.

Se ‘a fé remove montanhas’, porque não fazer a sua parte e aguardar os resultados, afinal, a cada dia basta o seu cuidado.

Então, conclua um ciclo de cada vez, sorvendo cada detalhe e depois, basta correr para o abraço.

Ou, como disse Almir Sater em sua belíssima canção “Tocando em Frente” ‘Ando devagar porque já tive pressa /Levo esse sorriso porque já chorei demais/ Hoje me sinto mais forte, mais feliz, quem sabe?/Só levo a certeza de que muito pouco eu sei/Ou nada sei.