Os discursos de ódio

Por José Roberto Peters 12/05/2017 - 17:21 hs
Foto DivulgacaoPois é. Guimarães Rosa — grande mineiro — em seu “Grande Sertão Veredas” escreveu:   “Melhor, se arrepare: pois num chão, e com igual formato de ramos e folhas, não dá a mandioca mansa, que se come comum, e a mandioca-brava, que mata?” Sabia muito o Rosa. 

Hoje, passadas as eleições (**), vemos gente — feito as mandiocas — com dois discursos: o de amor e paz e o de ódio e violência.Vale dizer sempre que o ódio é o pior dos conselheiros. Turva a visão e não mede consequências. E é bom não confundir liberdade de expressão com discurso de ódio: vai entre eles uma distância enorme.

Quer ver? Aqueles que pregam o desaparecimento de nordestinos — porque não sabem votar e que-tais — fazem isso em nome da tal liberdade de expressão. Esses mesmos ficam indignados quando a polícia, com autorização da justiça, grava um preso com um celular desde o presídio dizendo que “vai matar o juiz fulano de tal”. Ora, qual a diferença dos dois discursos? Nenhuma. E não são exemplos de liberdade de expressão. Discurso de ódio é crime.

O discurso de ódio é irmão siamês da xenofobia, que existe pelo mundo afora: com os turcos na Alemanha, com os argelinos na França, com os latinos nos Estados Unidos — dica para quem quer se mudar para Miami — e com os nordestinos no Brasil, por exemplo.

E tem remédio? Acho que sim. A educação, para quem não percebeu ainda, é um antídoto para muitos males. Mas é necessário estar aberto ao novo, ao diferente, ao outro. Ter a disponibilidade para sobrepor os obstáculos epistemológicos, como dizia Bachelard, para sair da zona de conforto e ganhar outras visões de mundo.

Para isso há que ter vontade. Paulo Freire falava que “mudar é difícil, mas é possível”. E, como dizia Guimarães, também no Grande Sertão, “burro só não gosta é de principiar viagens.” Depois que começa, vai. Pense nisso.

* Mestre em Educação Científica e Tecnológica, professor universitário e consultor técnico da OPAS no Ministério da Saúde

** Artigo publicado orinalmente no www.portaldearaguari.blogspot.com, em 29/10/2014