Em Foco

Postagens recentes

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Aloisio Nunes de Faria

Governo de Minas Gerais anuncia pagamento de 13º salário de servidores

Estado também confirma calendários para o primeiro trimestre de 2017 e reafirma compromisso com manutenção dos serviços essenciais                                                            

O anúncio foi feito durante reunião da Mesa de Negociação Sindical Permanente.
Foto: Carlos Alberto/Imprensa MG






Por AGÊNCIA MINAS - O Governo de Minas Gerais anunciou nesta quarta-feira (7/12) o calendário de pagamento dos salários dos servidores públicos estaduais para os próximos três meses e também do 13º salário. O anúncio foi feito durante reunião da Mesa de Negociação Sindical Permanente, da qual participam secretários de Estado e entidades sindicais dos servidores públicos. O encontro foi realizado na Cidade Administrativa, em Belo Horizonte.

Durante a reunião, foi anunciado que o 13º salário dos servidores será pago de forma parcelada, como tem acontecido com os salários desde o início deste ano. Desta forma, no dia 22/12, todos os servidores receberão metade do valor seus salários líquidos – independentemente do valor do salário. No dia 24/1, serão pagos até R$ 3 mil por servidor – e, quem recebe até R$ 6 mil líquidos, receberá o pagamento integral. Quem ganha mais de R$ 6 mil terá o pagamento integral do saldo remanescente em 24/3 (ver tabela no final da matéria). 

Os representantes do governo que participaram da reunião lembraram que a escala foi possível graças ao esforço do Estado para obter os recursos necessários dentro de um cenário nacional de grave crise financeira – que, inclusive, obrigou o governador Fernando Pimentel a decretar estado de calamidade financeira pública na segunda-feira (5/12).

“Baseado neste acúmulo de problemas que nunca escondemos da população mineira, o governador Fernando Pimentel enviou o decreto para dar mais mobilidade para manejar os recursos. Esta situação de calamidade financeira não é para assustar ninguém, é para conseguirmos trabalhar. Sem o decreto, não poderíamos sequer falar em 13º salário. Precisamos dessa flexibilidade para calibrar os recursos que temos”, afirmou o secretário de Estado de Planejamento e Gestão, Helvécio Magalhães, após a reunião.

“Nossa expectativa é de melhora na economia para conseguirmos honrar a escala que assumimos e garantir a manutenção dos serviços essenciais. Estamos governando para mais de 600 mil servidores e milhões de mineiros”, disse o secretário. Segundo ele, o governo está procurando dosar estes aportes para conseguir honrar os compromissos. 

O secretário de Estado da Fazenda, José Afonso Bicalho, apresentou o quadro financeiro do Estado. Em relação ao 13º salário, afirmou que o pagamento será possível porque a folha de pagamento dos servidores foi vendida ao Banco do Brasil e Minas Gerais receberá R$ 1,4 bilhão agora e R$ 450 milhões ao longo dos próximos cinco anos. “Geralmente os bancos pagam 70% à vista. Conseguimos que o BB nos pagasse 75% agora. Isso mostra o esforço do Estado para conseguir melhorar a situação financeira”, disse.

Na terça-feira (6/12), ao comunicar o decreto de calamidade financeira, o governador Fernando Pimentel já havia se referido às dificuldades econômicas nacionais e do Estado. “Nós estamos atravessando um ano muito difícil. As perspectivas para o próximo ano também não são nada positivas, mas o que nós temos a oferecer a Minas Gerais é muito trabalho, muito empenho, muita dedicação – e, volto a dizer, um ambiente de absoluta tranquilidade e harmonia entre os Poderes. E isso pode garantir a Minas Gerais, e está garantindo, atravessar esse período de crise sem interrupção dos serviços públicos. Isso não é pouca coisa em um cenário tão crítico como o que o Brasil está atravessando”, disse o governador na ocasião.

Confira, na tabela abaixo, como ficou o pagamento do 13º salário e a escala do primeiro trimestre de 2017:

Aloisio Nunes de Faria

Siglas malditas, por Inocêncio Nóbrega

Inocêncio Nóbrega
Jornalista
inocnf@gmail.com

Simplificação e agilidade no falar e no escrever têm buscado a humanidade a exercitá-la numa forma cada vez mais intensa, nestes últimos séculos. Assim é que procura se interagir, em se pontuarmos nosso idioma, a figura gramatical de tropo, a elipse.  Nesse sentido, através da zeugma a palavra ou expressão torna-se facilmente subentendida, dentro de uma preocupação  contextual, se dela omitirmos alguns elementos.  É o emprego de siglas para substituírem um conjunto de letras, sem prejuízo ao nome de uma instituição ou ato normativo. Prática essa que a literatura, a imprensa, os foros oficiais e a comunicação cotidiana entre os cidadãos, fazem uso com frequência e facilidade.






Em função delas qualifica-se a ditadura militar, instaurada a partir de 1964, a qual se resume em duas letras, apenas, AI-5 (Ato Institucional), assinado pelo general Costa e Silva a 13 de dezembro de 1968. Parceiro da LSN (Lei de Segurança Nacional) e do DOI-CODI, órgão por onde passaram experimentados torturadores, vários com cursos de especialização patrocinados pelo Departamento de Estado norte-americano. Havia outros, a exemplo da Operação Bandeirantes e o CCC (Comando de Caça aos Comunistas) que lhe prestavam relevantes serviços. Os famigerados IPMs (Inquérito Policial Militar), tinham a tarefa de selecionar os “subversivos”. A estatística é macabra, milhares de patriotas entre mortos, torturados, expatriados ou que sofreram algum tipo de sanção, em nome de uma ideologia fascista e apátrida. Outros, considerados  eram remetidos para a Ilha de Fernando de Noronha e das Flores.  As masmorras encontravam-se devidamente aparelhadas para os exercícios dos facínoras e consumação  fatal de vítimas.  Nas redações de jornais,  universidades,  nos recônditos de nossos lares,  o clima era de tensão e revolta. A democracia demorava a voltar. A impaciência tomava conta do povo.

Os parlamentos procuravam uma saída. Rebelavam-se. O deputado federal Márcio Moreira Alves, em inflamado discurso concitou as mulheres boicotarem o desfile de 7 de Setembro de 1968 e que as mocinhas se abstivessem namorar os militares “gorilas”.  Estes consideraram tal atitude  uma ofensa às forças armadas as quais, sem demora, acionaram o STF que solicitassem à Câmara Federal licença para processar o parlamentar jornalista carioca e agora rebelde. Os dois únicos partidos consentidos, Arena e MDB, este na oposição, por 216 votos a 141, e mais 12 abstenções, não consentiu. Gerava-se o AI-5, oficializava-se a ditadura. Decreta-se o recesso do Congresso Nacional, Assembleias Legislativas e Câmaras Municipais; incrementam-se a censura e a repressão; suprimem-se direitos constitucionais.

A PEC-55, pelas circunstâncias em que é manipulada não deixa de ser uma sigla maldita. Virá para subverter a ordem econômica, com reflexos negativos na sociedade brasileira, especialmente nas áreas de educação e saúde, mediante a imposição ao congelamento, por vinte anos, de investimentos e gastos nessas áreas. Sem falarmos nos desdobramentos sociais, tem provocado a morte, nesta fase de discussões, de um estudante no Paraná, e reação do povo nas capitais e principais cidades do país. Espécie de  réplica ao AI-5, cuja data ora transcorre, e para melhor lembrá-lo buscou-se o mês de dezembro, coroado de  desobediência civil do Senador Renan Calheiros em relação a um mandado do STF, numa inversão ideológica ao pregado por Moreira Alves. Novamente as instituições republicanas são atingidas. 

domingo, 4 de dezembro de 2016

Aloisio Nunes de Faria

Escala de pagamento do IPVA 2017 começa no dia 9 de janeiro

Em média, imposto teve redução de 4,4% na base de cálculo, e contribuinte que quitar à vista terá 3% de desconto. Pagamento já pode ser efetuado                                                       

Por AGÊNCIA MINAS - A escala de pagamento do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) 2017 começa no dia 9 de janeiro, em Minas Gerais, para os finais de placa 1 e 2. Os vencimentos da primeira parcela ou da cota única (com desconto de 3%) seguem nos dias 10 (finais de placa 3 e 4), 11 (5 e 6), 12 (7 e 8) e 13 (9 e 0). A escala se encerra em 15 de março.





O valor total do IPVA emitido para 2017 é de R$ 4,6 bilhões, um incremento de R$ 240 milhões (5,46%), em relação a 2016. A frota também aumentou, no mesmo período, em 337 mil veículos (3,72%), totalizando 9,4 milhões – emplacados até 14 de outubro de 2016.

Os contribuintes podem consultar os valores a pagar informando o número do RENAVAM ou Marca/Modelo no site da Secretaria de Estado de Fazenda de Minas Gerais (SEF/MG), pelo telefone 155 do LIGMINAS ou no aplicativo IPVA-MG, para smartphones e tablets, disponível para baixar gratuitamente nas versões IOS, Android e Windows Phone.

Em comparação com 2016, houve redução média de 4,4% da base de cálculo adotada (confira tabela no Diário Eletrônico/SEF-MG), elaborada por técnicos da Secretaria de Fazenda com referência no valor venal da frota, subsidiada por pesquisa de mercado da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe/USP).


Pagamento

O pagamento do IPVA 2017 já poderá ser feito a partir de 1º de dezembro de 2016, diretamente nos terminais de autoatendimento ou guichês dos agentes arrecadadores autorizados, bastando informar o número do RENAVAM do veículo.

Os agentes arrecadadores autorizados a receber os tributos são: Banco do Brasil, Mais BB, Banco Postal, Bradesco, Itaú-Unibanco, Mercantil do Brasil, Caixa Econômica Federal, Casas Lotéricas, Santander e SICOOB.

O contribuinte que preferir emitir a guia de arrecadação poderá retirá-la pelo site da SEF/MG ou pessoalmente nas Repartições Fazendárias ou Unidades de Atendimento Integrado (UAI).

Quem adquiriu veículo zero quilômetro ou transferido de outro estado depois do dia 14 de outubro só consegue quitar o imposto antecipadamente, de hoje até 31 de dezembro, retirando a guia de recolhimento.

Isso porque a base de dados foi enviada aos bancos anteriormente ao dia 14 de outubro. No entanto, a partir de 1º de janeiro de 2017, o banco de dados estará atualizado e o pagamento poderá ser feito normalmente nos caixas eletrônicos e agentes bancários, sem a necessidade da guia.

O não pagamento do IPVA 2017 nos prazos estabelecidos gera multa de 0,3% ao dia (até o 30º dia), e de 20% após o 30º dia. Os juros são calculados sobre o valor do imposto ou das parcelas, acrescido da multa, pela taxa referencial do Sistema Especial de Liquidação e Custodia (Selic).

O subsecretário da Receita Estadual, João Alberto Vizzotto, ressalta a vantagem de o cidadão quitar o imposto dentro do prazo, para evitar as multas e os juros, além das consequências oriundas da cobrança, podendo chegar a protesto cartorial. “O Estado não deseja receber tributos com multas e juros, porque não é isso que faz a sua receita. Sabemos das dificuldades que o país está passando, mas recomendamos o pagamento em dia para evitar os transtornos para o contribuinte e para que o Estado possa cumprir os seus compromissos e devolver à sociedade os benefícios que ela merece”, afirmou.

Destinação da receita


Vizzotto destaca ainda que os recursos do IPVA não têm vinculação com a aplicação em trânsito, como muitos acreditam. Ele explica que o dinheiro arrecadado com o tributo vai para o caixa único do Estado, podendo ser investido em saúde, educação, habitação, segurança e, inclusive, trânsito e transporte, dentre outras áreas.

Do total do valor apurado com o IPVA, 20% são repassados ao Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais de Educação (Fundeb); 40% ao caixa único do Estado e 40% para o município de licenciamento do veículo.

Taxa de Licenciamento

A Taxa de Renovação do Licenciamento Anual de Veículo (TRLAV) é de R$ 92,66, com vencimento em 31 de março de 2017. O valor total emitido da TRLAV é de R$ 881 milhões, um aumento de R$ 94 milhões (11,95%) em relação a 2016.

O vencimento da TRLAV será no próximo dia 31 de março e, assim como o IPVA 2017, a taxa poderá ser paga já a partir de 1º de dezembro de 2016, diretamente nos terminais de autoatendimento ou guichês dos agentes arrecadadores autorizados.

Para a TRLAV, a multa por atraso é de 0,15% ao dia (até o 30º dia), 9% do 31º até o 60º e 12% a partir do 61º dia. Os juros também são calculados pela taxa referencial do Sistema Especial de Liquidação e Custodia (SELIC).

Alerta

O subsecretário João Alberto Vizzotto alerta aos cidadãos que a Secretaria de Fazenda não envia para os contribuintes nenhum tipo de boleto do IPVA por Correios, e-mail, SMS ou redes sociais, como Whatsapp. “Se alguém receber esse tipo de cobrança deve ignorar, pois, caso pague, não estará pagando à Secretaria de Fazenda”, afirmou.



sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Aloisio Nunes de Faria

Presidente da ACIA, Carlos Antônio Vieira é eleito vice-presidente da Federaminas


O presidente da ACIA Araguari, Carlos Antônio Vieira, foi eleito vice-presidente da Federação das Associações Comerciais e Industriais de Minas Gerais-Federaminas, em pleito realizado nesta sexta-feira (2), em Belo Horizonte.





O empresário araguarino concorreu na chapa "Juntos Para Avançar", que reelegeu, para o biênio 2017/2018, o atual presidente Emílio Parolini, da cidade de Araxá.

"Juntos Para Avançar" alcançou maioria dos votos - 134 a 52 -, na disputa com a chapa "Somos Mais Compromisso", liderada pelo advogado Daniel Freitas Resende, atual assessor jurídico da Associação Comercial e Industrial de Patos de Minas.

Parabéns ao Carlos Vieira e votos de sucesso na nova empreitada que tem pela frente, onde, com certeza, desempenhará papel importante na representação de Araguari no contexto das mais importantes cidades do Estado.

Sua eleição coroa um longo período de trabalho e dedicação ao associativismo. Trata-se de empresário participativo na vida da comunidade e região. É sócio fundador da Aracoop Sicoob e fundador e atual presidente da ACTRIM – Associação dos Supermercados do Triângulo Mineiro. Foi Diretor da Câmara de Diretores Lojistas de Araguari por quinze anos ou quatro gestões, onde ocupou os cargos de Diretor Administrativo e Financeiro.

Atualmente, como presidente da ACIA – Associação Comercial, Industrial, Agropecuária e Prestação de Serviços de Araguari, empenha-se na realização de inúmeros projetos que buscam o progresso do município, por meio da luta em prol do crescimento, união e valorização da classe empresarial da cidade e do Estado. 


segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Aloisio Nunes de Faria

Brasileiro é o melhor motorista de caminhão da América Latina

O baiano Luis Carlos dos Santos derrotou outros 11 concorrentes e ganhou um caminhão Scania zero quilômetro; participaram do torneio competidores de Brasil, Argentina, Chile e Peru. Foto: Divulgação/Scania Driver Competitions





Luis Carlos dos Santos, de 31 anos, é o melhor motorista de caminhão da América Latina. Natural de Salvador, o profissional derrotou os outros 11 condutores classificados para a final latinoamericana do Scania Driver Competitions, e conquistou o tão desejado título. A disputa inédita contou com participantes de Brasil, Argentina, Chile e Peru. Santos levou pra casa um caminhão Scania Streamline R 440 6x2 zero quilômetro. As provas foram disputadas ontem (27) e no sábado (26), na Estância Alto da Serra, em São Bernardo do Campo, São Paulo.

Cada um dos quatro países teve os três melhores motoristas classificados após meses de disputas em várias fases. No sábado, os 12 competidores fizeram quatro provas, entre elas teórica e de percurso. O domingo começou com o teste de manobra individual ao volante. A soma dessas cinco avaliações classificou oito motoristas dentre os 12. Curiosamente, apenas o vencedor nacional do Chile avançou, os outros sete foram segundos e terceiros colocados em suas nações. Esse cenário tornou imprevisível a decisão da competição. Os oito candidatos se enfrentaram em duplas, em provas eliminatórias de habilidade na condução do caminhão e corrida contra o tempo.

Na grande final, Santos enfrentou o argentino Hugo Armando Valdiviezo, de 35 anos. Ambos tinham algo em comum, pois ficaram em terceiro lugar na fase nacional de seus países. Ou seja, não chegaram como favoritos entre os 12. A difícil prova que valeu um caminhão consistia em fazer um circuito em Z, dirigindo de ré e depois de frente derrubando pinos com a máxima destreza e no menor tempo possível. O brasileiro errou logo no começo e teve de manter a calma para vencer o argentino, que ao cometer uma sequencia de falhas foi superado pela agilidade de Santos.

O terceiro colocado foi o brasileiro Ruy Hermes Gobbi, de 49 anos e natural de São José (SC). Valdiviezo ganhou um prêmio de R$ 25 mil, e Gobbi R$ 15 mil, para compras em rede conveniada. Com emoção e orgulho, os três representaram seus países acompanhados de suas famílias, e foram reconhecidos pelo excelente trabalho que realizaram.

Santos estava prestes a desistir da profissão, após seis anos de estrada. “Quando me credenciei para a final nacional 2016 e peguei o terceiro lugar, em outubro, repensei a decisão. Aconselho a todos os motoristas a valorizar sua profissão, a ter mais amor por ela. Quem está pensando em abandonar não faça isso. Nós movimentamos o Brasil.”

Sobre a competição

O número de participantes, no total dos quatro países, alcançou mais de 56 mil inscritos. Na Argentina foram 7.826, no Brasil 42.516, no Chile 3.163 e no Peru - país debutante na competição - outros 2.760 motoristas. O Scania Driver Competitions foi criado no ano de 2003 na Europa. Desde esta data, reuniu mais de 300 mil motoristas de quase 50 países. A competição foi propagada a nível mundial para ressaltar a importância dos conhecimentos e profissionalismo dos motoristas, além de aumentar a consciência de segurança nas estradas e meio ambiente. Na América Latina, o Scania Driver Competitions foi realizado pela primeira vez na Argentina e no Brasil no ano de 2005, e logo outros países foram se somando ao grupo. Em 2016, foi organizada a primeira final América Latina.
Aloisio Nunes de Faria

Escola Móvel do SESI/SENAI forma 500 alunos em Araguari


Cerca de 500 alunos capacitados nos cursos profissionalizantes da Escola Móvel do SESI/SENAI receberam certificados durante cerimônia de formatura realizada nessa sexta-feira, 25. O evento aconteceu no salão de festas Ópera Hall com a presença de convidados e autoridades municipais. O projeto foi realizado em Araguari por meio da parceria entre a Prefeitura, o SESI/SENAI e Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (FIEMG).





A escola móvel esteve instalada na Praça Getúlio Vargas, desde 25 de outubro. A partir de então, foram ministradas aulas nos períodos da manhã e tarde.

De acordo com Mauro Sérgio de Ávila Cunha, diretor da FIEMG, dentre os principais cursos de formação, destacam-se os de iniciação profissional de costureiro, pedreiro, eletricista, confeiteiro e mecânico de motos. Ainda segundo ele, o programa também ofereceu cursos de educação continuada, como Educação Ambiental e Sustentabilidade, Atendimento ao Cliente, Auxiliar Administrativo, Secretariado e outros temas de interesse geral, dentre os quais, as Oficinas de Artesanato para geração de renda.

A Escola Móvel SESI SENAI é um projeto voltado à promoção da cidadania por intermédio da profissionalização de indivíduos; no desenvolvimento de competências profissionais e na geração de renda através de um ensino de forma didática e descomplicada, dando oportunidade às pessoas de ingressarem no mercado de trabalho, criando interação nas comunidades atendidas.

Desde a implantação, em 2011, a Escola Móvel percorreu mais de 280 mil quilômetros, passando por 271 cidades e capacitando mais de 32 mil alunos, com índice de empregabilidade de 79%. São em média 40 alunos por curso e a unidade móvel fica cerca de 30 dias em cada cidade.

sábado, 26 de novembro de 2016

Aloisio Nunes de Faria

Fordlândia, um case de erros no marketing

(Imagem: Reprodução/Estado de Minas)


Priscila Mendes (*)

Para entendermos o caso de Fordlândia é preciso dizer que Fordlândia é um município de Aveiro, localizada no estado do Pará, no norte do país às margens do Rio Tapajós em pleno coração da Amazônia.

Fordlândia recebeu este nome porque no final da década de 20, o empresário norte-americano Henry Ford, que introduziu na indústria americana um modelo de produção em massa de carros da Ford nos Estados Unidos, resolveu investir sua produção também aqui no Brasil.





Em 30 de setembro de 1927, Henry Ford tentou construir no Brasil uma fábrica no estilo das norte-americanas, cuja principal atividade seria a automobilística e, em Fordlândia, a produção de látex extraída das seringueiras para a confecção de pneus para seus automóveis dependentes da borracha seria utilizada como matéria-prima.

Ford quis implantar um modelo americano em terras brasileiras, sem fazer um devido planejamento e estudo da área como aspectos geográficos, econômicos e culturais da região escolhida. Ford teve sérios problemas em seu projeto...

>> A terra - montanhosa demais, infértil e pedregosa - era inapropriada para o cultivo de seringueira.

>> Nenhum dos gerentes da Ford tinha experiência em agricultura, o que causou o plantio incorreto das seringueiras que plantadas muito próximas uma das outras foram presas fáceis para pragas agrícolas.

>> Muita gente sem experiência foi contratada, o que causou uma espécie de fraqueza de mão de obra.

>> Com o passar do tempo, os funcionários começaram a ficar insatisfeitos com as regras estabelecidas, o que ocasionou conflitos e baixa produtividade.

De positivo, a cidade possuía vilas para administradores e funcionários, com estruturas mais modestas. Ali também ficava um dos melhores hospitais da região e o salário era pago quinzenalmente e em dinheiro, algo muito bom para a época.

Os trabalhadores das plantações recebiam uma alimentação típica norte-americana, como hambúrgueres, o que não os sustentavam para o trabalho pesado da peleia, até porque eram acostumados com o tradicional arroz, feijão e farinha típica da região.

Em meio ao perigo de internacionalizar uma marca e/ou produto sem antes fazer um devido estudo e planejamento do projeto; no caso de Fordlândia ocasionou mais erros do que acertos. Ford preocupou-se apenas nos benefícios que o empreendimento poderia trazer.

Ford teria gasto cerca de meio bilhão de reais no projeto, que no fim acabou sendo vendido ao governo brasileiro por cerca de R$ 574 mil. O projeto foi oficialmente encerrado em 24 de dezembro de 1945.

Em meio a cerca de 300 mil seringueiras, na Amazônia, é possível encontrar as ruínas deixadas pelos americanos como casas, hospitais e escolas tornando Fordlândia praticamente uma cidade “fantasma”.

(*) Priscila Mendes é jornalista com especializações em "Mídia Eletrônica - Rádio, TV e Web" e "Marketing Digital e Mídias Sociais". Autora do blog causosgerais.blogspot.com.br.
Aloisio Nunes de Faria

Redes sociais são alternativa para driblar queda nas vendas de fim de ano

Por ZUENIR SPÍNDULA (*) - Por ZULEIR SPÍNDOLA - O uso das redes sociais para efetivar vendas e, assim, melhorar os resultados é uma das saídas para a crise. O WhatsApp, por exemplo, passou a ser uma ferramenta poderosa nesse contexto devido à praticidade, ao custo e à agilidade no contato com o consumidor. Com mais de um bilhão de usuários no mundo, o Brasil é um dos países com mais adeptos, o que representa um prato cheio para captar novos clientes.

Com uma perspectiva desanimadora para o comércio de fim de ano, comerciantes se desdobram para vender e recorrem a muitos recursos. Embora a previsão de queda nas vendas seja de 5% em todo o País, de acordo com a Associação Comercial de São Paulo (ACSP) - menor do que a registrada ano passado que foi de 7,2% - os brasileiros não abrem mão das compras de Natal. 





Para atrair clientes, lojistas utilizam ferramentas de baixo custo para inovar nos negócios. Na disputa entre comércio físico e sites de e-commerce, as facilidades de entrega, formas de pagamento e a comodidade de não precisar sair de casa, vem modificando o jeito de comprar e vender. Bom atendimento e preço não são mais suficientes para fidelizar o cliente. 

O uso das redes sociais para efetivar vendas e, assim, melhorar os resultados é uma das saídas para a crise. O WhatsApp, por exemplo, passou a ser uma ferramenta poderosa nesse contexto devido à praticidade, ao custo e à agilidade no contato com o consumidor. Com mais de um bilhão de usuários no mundo, o Brasil é um dos países com mais adeptos, o que representa um prato cheio para captar novos clientes.

No entanto, o uso do aplicativo não pode ser aleatório, sem estratégia. Mensagens personalizadas são responsáveis pelo sucesso na ferramenta. Devido à agilidade da comunicação, é preciso que a resposta ao cliente seja imediata. Recursos de imagens e vídeos podem ser explorados para facilitar as vendas. 

O Instagram é outra plataforma que atrai clientes, principalmente no mundo da moda. A postagem do "look" da estação pode render milhares de curtidas e inclusive vendas no Brasil e no exterior. O atendimento se torna ainda mais real por meio do recurso de mensagem direta na plataforma. Tudo muito rápido e cômodo! 

Acompanhar a entrega do produto, certificar-se da satisfação do cliente e manter um relacionamento por meio de mensagens sobre promoções e lançamentos são outras formas de garantir a fidelização do consumidor. Essas são alternativas baratas que colaboram com a manutenção do bom comércio que tenta ganhar fôlego num momento de turbulências.

(*) Zuleir Spíndula é consultor comercial com 18 anos de experiência no mercado de confecção. Possui MBA Marketing e Inteligência Competitiva, é dono da TYR, empresa de consultoria em gestão comercial.
Aloisio Nunes de Faria

Cuba decreta luto de 9 dias pela morte de Fidel Castro


Por IOLANDO LOURENÇO (*) - Cuba amanheceu este sábado (26) sob um clima de tristeza pela morte da maior liderança política do país e, talvez, um dos maiores líderes mundiais dos últimos anos, Fidel Castro.





A morte de Fidel foi anunciada na televisão estatal cubana pelo irmão dele, o presidente de Cuba, Raúl Castro, que decretou luto oficial de nove dias no país. Ainda hoje, a comissão organizadora dos funerais do líder cubano divulgará informações detalhadas sobre as homenagens póstumas ao fundador da revolução cubana.

Ao anunciar a morte de Fidel, Raul Castro afirmou: “Com profunda dor, compareço para informar ao nosso povo, aos amigos da América e do mundo, que hoje faleceu o comandante e chefe da revolução cubana Fidel Castro Ruz. Em cumprimento a vontade expressa do companheiro Fidel seu corpo será cremado. Até a vitória. Sempre”.

Fidel Castro é, ao mesmo tempo, adorado por muitos cubanos e também odiado por outros tantos que se exilaram principalmente nos Estados Unidos para fugir do regime socialista implantado durante a revolução cubana, liderada pelos irmãos Castro. Milhares de cubanos, que moram principalmente em Miami, nos Estados Unidos, saíram às ruas para celebrar a morte de Fidel. 

Regime socialista começou em 1959

As histórias da revolução cubana e de Fidel Castro, que morreu aos 90 anos, misturam-se em Cuba. Em 1959, Fidel e um grupo de revolucionários - incluindo Raúl Castro, seu irmão, e Che Guevara - instauraram o regime socialista na ilha. Em 2008, por estar com o estado de saúde abalado, Fidel se afastou definitivamente da Presidência da República de Cuba, passando o cargo a seu irmão Raúl.

Mas, manteve-se no comando do Partido Comunista de Cuba. Além de prestar orientações ao governo do irmão, continuou sendo a maior liderança do país.

Oficialmente, não houve justificativas para o afastamento de Fidel do poder e sua substituição por Raúl. Mas informações não oficiais confirmavam que o estado de saúde do líder era frágil, agravado por um câncer no intestino.

Ao longo de quase meio século no comando de Cuba, Fidel consolidou a imagem de força, resistência e crítica aos Estados Unidos, caracterizado por ele como “império capitalista”.

Nos anos 2000, durante reunião de chefes de Estado das Américas, no Rio de Janeiro, Fidel desapareceu no exato momento da foto oficial, na qual também estava prevista a participação de George W. Bush – ex-presidente dos Estados Unidos. Ao ser perguntado sobre as razões de não estar presente na fotografia, Fidel foi preciso na resposta: “Estava no banheiro e me demorei lavando as mãos”. Em seguida, soltou uma gargalhada.

Embargo dos EUA dificultou vida dos cubanos 

A população cubana vive situação delicada. Desde o fim da União Soviética (1991), o país passou a enfrentar dificuldades econômicas agravadas pelo embargo imposto pelos Estados Unidos (1962).

A maior parte da economia cubana é sustentada por cidadãos do país que vivem no exterior e enviam dinheiro para parentes. A situação econômica em Cuba é difícil devido às dificuldades para importação de bens básicos de consumo.

A comunidade internacional não poupa críticas aos irmãos Castro. Para parte dos líderes internacionais, o regime cubano é fechado, autoritário e com sinais de transgressão à democracia e de violação aos direitos humanos. Uma das críticas é em relação à liberdade política e de expressão. Os adversários dos Castro dizem que são perseguidos politicamente.

O governo de Fidel foi responsável por montar um imenso aparato estatal em Cuba. Para implementar a reforma agrária foi criado o Instituto Nacional de Reforma Agrária. O fim do analfabetismo no país foi obtido por uma campanha maciça envolvendo os chefes de família e de forma impositiva. Para estimular a cultura, foram criadas instituições, como a Imprensa Nacional de Cuba e o Instituto Cubano de Arte e Indústria Cinematográfica.

Fidel e Brasil

A relação de Fidel com o Brasil foi registrada ao longo da história com encontros com os ex-presidentes Juscelino Kubitschek e Jânio Quadros. As relações entre os governos do Brasil e de Cuba se aproximaram com a assunção ao poder dos governos petistas dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. Foram firmados vários acordos em diversas áreas, inclusive com vinda de médicos cubanos para integrar o Programa Mais Médicos.

Cuba e EUA

As relações diplomáticas entre Cuba e Estados Unidos, que eram das piores, começaram a ser reatadas há poucos anos. Com a interferência do papa Francisco, os presidentes Barack Obama e Raúl Castro se falaram depois de 55 anos de relações rompidas.

Em dezembro de 2014, os presidentes dos Estados Unidos e de Cuba foram à televisão anunciar que iriam restabelecer as relações diplomáticas que estavam rompidas. Hoje, os dois países mantêm relações diplomáticas.

(*) Repórter da Agência Brasil
Aloisio Nunes de Faria

SEBRAE inaugura agência em Araguari

A Agência do SEBRAE de Araguari foi inaugurada na tarde dessa sexta-feira, dia 25, em evento realizado na Associação Comercial e Industrial de Araguari (ACIA). Ao acontecimento, que veio atender um anseio antigo da comunidade, compareceram representantes da Regional Triângulo do SEBRAE de Uberaba, autoridades municipais, lideranças classistas e empresários.





Durante o ato, William Brito, gerente Regional do SEBRAE, apresentou a profissional responsável pela agência, a economista Beatriz Marques Bertoldo. A titular da unidade, de 28 anos, filha de araguarina, é natural de Uberlândia. Graduada pela UFU, está no SEBRAE desde 2013, atualmente no cargo de Analista Técnica. Transferirá residência para Araguari, onde buscará conviver social e profissionalmente de forma mais intensa com a realidade local, objetivando alcançar o melhor desempenho no atendimento às demandas das empresas do município.

A agência do SEBRAE terá seu funcionamento em espaço próprio na ACIA, na Avenida Tiradentes, 35, com início das atividades previsto para a próxima semana.

Fotos: Enivaldo Silva / Prefeitura de Araguari


Beatriz Marques Bertoldo, gerente da Agência do SEBRAE de Araguari


sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Aloisio Nunes de Faria

Vender produtos vencidos pode dar cadeia, alerta a Polícia Civil de Minas Gerais

Muita gente desconhece, mas a prática é crime previsto em lei, passível de detenção ou multa. População deve denunciar, já que mercadorias fora do prazo de validade oferecem riscos à saúde   

Da AGÊNCIA MINAS - Uma denúncia anônima levou a Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) a vistoriar uma padaria localizada no bairro Alto Vera Cruz, Região Leste de Belo Horizonte. Lá, foram encontradas dezenas de produtos com validade vencida, somando aproximadamente dois carrinhos de supermercado, que foram apreendidos e levados pela Vigilância Sanitária. Os donos do estabelecimento e o gerente foram conduzidos à delegacia e autuados. Agora, eles respondem pelo crime, previsto no artigo 7º, parágrafo IX, da Lei 8137/90.





Muita gente não sabe que vender produtos vencidos é crime inafiançável e pode render pena de dois a cinco anos de detenção para o responsável, empresário e até gerente, além de multa. Por causa da desinformação, muitos consumidores procuram os Procons e não a polícia.

De janeiro de 2015 a agosto de 2016, foram recebidas mais de 100 reclamações de consumidores que adquiriram produtos fora da data de validade no estado* ou sem a data legível.

Para coibir esta prática, a PCMG reforça a importância da ajuda da população no monitoramento constante durante as compras. “É importante que as pessoas verifiquem os prazos para consumo, e, em caso de observarem a venda inapropriada, que façam a denúncia. Isto aumenta a eficiência da nossa atuação. Quando mais gente de olho, melhor”, reforça a delegada Silvia Mafuz.

Tanta preocupação porque os riscos são enormes. Alimentos e medicamentos fora da data de validade podem gerar intoxicação alimentar e até outros problemas de saúde. Já a utilização de cosméticos vencidos pode causar irritações na pele, olho e até alergias, alerta o diretor de Vigilância Sanitária em Medicamentos e Congêneres da Vigilância Sanitária, Alessandro Melo.


Para a assessora jurídica do Movimento das Donas de Casa e Consumidores de Minas Gerais (MDC), Gabriella Vieira, o apoio da comunidade é realmente fundamental. “O consumidor atento à validade do produto, bem como ao estado em que se encontra a embalagem, preserva sua família e as demais. Sabemos que, na pressa do dia a dia, muita gente compra sem olhar a data de validade. Os perigos são grandes. E denunciar ajuda a punir o responsável, diminuindo as chances de ele fazer novamente” comenta.

A dona de casa Maria de Lourdes Silva, 44 anos, está sempre atenta. “Quando venho ao supermercado olho todas as datas e, se o produto estiver próximo do vencimento, não levo. Sou muito chata com essas coisas, pois me importo com a minha saúde e da minha família. Mas eu nem imaginava que seria crime. Agora vou monitorar por mim e pelos demais. E quando necessário, avisarei as autoridades”, conta.

Agravantes

A promotora de Justiça de Defesa do Consumidor e autoridade do Procon-MG, órgão do Ministério Público de Minas Gerais, Thaís Leite, destaca que a simples exposição ou venda da mercadoria vencida já configura o delito. Isto é, o crime não existe apenas se o consumidor apresenta algum efeito adverso após o consumo do produto.

“O consumidor é o maior fiscal e deve alertar as autoridades, principalmente se observar que a prática é proposital ou recorrente”, reforça Thaís. A promotora alerta ainda que é  fundamental guardar o produto e a nota fiscal para provar o dia da compra e comprovar que a mercadoria já estava fora da data de validade.

A lei também pune a modalidade culposa, ou seja, ainda que o responsável pelo estabelecimento não tenha agido com intenção de cometer o crime, basta que se caracterize negligência, imprudência ou imperícia para aplicação de pena, que, neste caso, deve ser reduzida em 1/3 ou a de multa a 1/5. “No caso de cosméticos e medicamentos, a venda pode se enquadrar também como crime contra a saúde pública”, ressalta a delegada Silvia. 

Canais de denúncia

Para relatar estes problemas, o cidadão tem como possibilidades o Disque Denúncia pelo 181, as Delegacias Regionais, as Delegacias do Consumidor e os Procons municipais. Em Belo Horizonte, ainda há o Procon-MG (31) 3250-5010 ou a Delegacia do Consumidor, que fica na Rua Martim de Carvalho, 94, Santo Agostinho.

*Reclamações recebidas nos Procons municipais integrados ao Sistema Nacional de Informações de Defesa do Consumidor (SINDEC)
Aloisio Nunes de Faria

Domicílios com microcomputador têm queda de 3,4% pela 1ª vez em 7 anos

FLÁVIA VILELA/Agência Brasil - O número de domicílios brasileiros que possuíam microcomputador em 2015 caiu pela primeira vez desde 2008, segundo dados da Pesquisa Nacional de Amostras de Domicílios (Pnad) 2015, divulgada nesta sexta-feira (25), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

As regiões Norte e o Nordeste apresentaram as menores proporções de
 domicílios com microcomputador (26,7% e 30,3%, respectivamente.

Foto: Agência Brasil/EBC
A redução foi de 3,4% em relação ao ano anterior na primeira queda desde 2008. Dos 31,4 milhões de domicílios com computador em 2015, desse total 27,5 milhões de unidades domiciliares tinham computador com acesso à internet. As proporções de domicílios com microcomputador (46,2%) e com microcomputador com acesso à internet (40,5%) também caíram 2,3 e 1,6 pontos percentuais, respectivamente, na comparação com 2014.

Quando o computador da casa da professora de inglês carioca Marilene dos Santos, 41 anos, quebrou, ela decidiu que não valia a pena comprar outro. “Já quase não usávamos. Acho que quebrou por falta de uso. Tudo o que fazia nele, agora faço no meu celular de onde quiser. Acho que a tendência é esse bem deixar de existir”, disse ela.

O Norte e o Nordeste apresentaram as menores proporções de domicílios com microcomputador (26,7% e 30,3%, respectivamente). Em relação a 2014, os domicílios com algum tipo de telefone praticamente não variaram (93,3%), enquanto os lares com celular cresceram 1,7 ponto percentual chegando 39,5 milhões de residências (58%). Esse aumento foi maior nas regiões Norte (74,7%) e Nordeste (72,8%).

Em 2015, cerca de 139 milhões de pessoas de 10 anos ou mais de idade tinham celular, um crescimento de 1,8% (2,5 milhões de novos celulares). A faixa de pessoas com posse de telefone móvel celular, que em 2014 era de 77,9%, passou a 78,3% do total. A região Sudeste teve maior crescimento em números absolutos (1,4 milhão de pessoas). Em termos relativos, o Centro-Oeste obteve o maior crescimento (3%), seguido do Sudeste (2,2%), Sul (1,9%), Norte (1,3%) e Nordeste (0,8%) .





Internet tem crescimento

O acesso à internet cresceu 7,1% em 2015 e aproximadamente 102 milhões de pessoas de 10 anos ou mais de idade acessaram a rede. A proporção de internautas passou de 54,4% para 57,5% da população entre 2014 e 2015.

O crescimento ocorreu em todas as regiões, mas foi maior no Centro-Oeste (8,7%), no Nordeste (8,4%) e no Sudeste (6,8%). O maior contingente de internautas (65,1%) estava no Sudeste, seguido do Sul (61,1%), Centro-Oeste (64%), Norte (46,2%) e Nordeste (45,1%).

Os adolescentes foram os que mais acessaram a internet, sobretudo, os de idade entre 15 e 17 anos e de 18 ou 19 anos (82% e 82,9% do total de usuários). Entretanto, na comparação com 2014, os maiores aumentos de usuários foram observados nos grupos de 40 a 49 anos de idade e de 50 anos ou mais (13,9% e 20,1%,respectivamente).

Acesso à máquina de lavar continua crescendo

Ainda de acordo com o IBGE, o número de domicílios brasileiros com máquina de lavar roupa aumentou 5,7% em 2015 na comparação com 2014. Cerca 61% dos 68 milhões de lares estimados no país tinham esse bem durável.

As regiões Norte (39,5%) e Nordeste (30,7%) ficaram abaixo da proporção média do Brasil relativamente à posse do bem. Já fogão (98,8%), geladeira (97,8%) e televisão (97,1%) estavam presentes em quase a totalidades das moradias do país.
Aloisio Nunes de Faria

Gritos da República, por Inocêncio Nóbrega

Inocêncio Nóbrega
Jornalista
inocnf@gmail.com

Gritar pela República, ao contrário da Independência, não foi privilégio de um só, embora representado pelo Marechal Deodoro da Fonseca. Muitos foram quem o fizeram em várias partes e ocasiões neste País. Assim, ninguém sabe, com exatidão, qual o primeiro deles, nem de onde partiu. Na guerra civil dos Mascates, (1710), Bernardo Vieira de Melo propôs aos nobres de Olinda que a capitania de Pernambuco se erigisse em República. A manifestação de Felipe dos Santos, no governo do Conde Assumar (1720) e a Conjuração Mineira, de 1789, também tiveram inspirações nitidamente revolucionárias e republicanas, mas foram rechaçadas com violência e mortes. Na Revolução de 1817 perguntava-se qual a melhor forma de governo para o Brasil, e o armador Paes de Andrade respondia: “República e só República”! No Ceará, a Vila do Crato cedo proclamou a Independência, com sinais de republicanismo. No R. Grande do Sul, declara-se a República Rio-grandense (1835).  O manifesto de 1870 teria influenciado os goianos, os quais tinham em Oscar Leal seu líder maior, disseminando a ação republicana.






O discricionário ato de dissolução da Constituinte de 1823, por  Pedro I, aguça o espírito conspiratório,  rapidamente se espalhando por um sem número de sociedades secretas.  Para dar-lhe sustentação política o monarca cria o grêmio Coluna do Trono. Os patriotas respondem com as lojas Jardineira ou Carpinteiros de S. José. A maçonaria traz a experiência da França, e na freguesia de S. Gonçalo, Rio de Janeiro, funda a unidade maçônica “Distintiva”, porém foi impedida de funcionar pelos serviçais da “Guarda Negra”, legião secreta do Império. 

 Afloram periódicos, 74 deles em todo o Brasil, com variações de títulos, em função do ideário republicano, os quais sofreram implacáveis perseguições. O jornalista e agitador Borges da Fonseca editava o seu O Repúblico, ora na Paraíba, onde nasceu, no Recife e no Rio de Janeiro, ele que foi responsável pela abdicação de abril de 1831.  A Escola Militar aderira à causa, que tinha apostolado positivista.  Na Proclamação de 15 de Novembro havia 237 Academias Republicanas.

Na República, por sua própria conceituação, concebe-se a coisa pública diante do interesse privado. Essa, sua essência. Desse novo sistema nossos patriotas esperavam somente vantagens para o povo e para o País, a começar que não haveria mando hereditário. Iludiam-se por acreditar numa população unida sob pensamento único, que se transformaria num poder social supremo, cujo exercício de governo seria coletivo.  As vocações culturais, políticas, antropológicas, numa inabalável fé de futuro, superariam as forças partidárias e opostas. Conjugado com a liberdade e a democracia, numa convivência salutar, a prosperidade da Nação viria, inevitavelmente. Não contavam seus sonhadores que as turbulências econômicas e políticas, mais tarde expressas em sucessivos golpes de estado, pudessem inverter justamente aquele conceito. Ao contrário, prioriza-se a iniciativa privada, a dominar um estado mínimo, conduzido por pessoas sem compromissos com o crescimento do País, isto é, uma prática anti-republicana, e que  está ocorrendo, hoje, no Brasil, presidido por um constitucionalista que traz a história nos pés. 

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Aloisio Nunes de Faria

Papa diz que segredo de viver bem aos 80 anos é rezar e dormir

Da AGÊNCIA ANSA (*) - O segredo para continuar cheio de energia aos quase 80 anos de idade é "rezar" e "dormir bem", disse o papa Francisco durante uma entrevista para a emissora de televisão italiana Tv2000. "Não sei como eu faço, mas eu rezo e isso me ajuda muito. A oração é uma ajuda para mim, é estar com o Senhor. Eu celebro as missas, rezo o Breviário, falo com o Senhor e rezo o Rosário. E depois, eu também durmo bem. Isso é uma graça do Senhor, eu durmo como uma pedra", segredou o Pontífice.

Ele afirmou que às vezes pode ficar cansado, mas nunca "estressado" ou "deprimido". Na entrevista, o papa também disse que ter um bom "senso de humor" também ajuda. "O senso de humor é uma graça que peço todos os dias. [Ele] te alivia, te faz ver o provisório da vida e lidar com as coisas com um espírito de alma redimida, é uma atividade humana, mas é a mais próxima de Deus", comentou.

O papa Francisco condenou "a falsa admiração de bajuladores. Eu tenho alergia dos bajuladores”.
Foto: Tânia Rego/Agência Brasil (25/07/2013)

Senso de humor





"Eu conheci um padre, um grande sacerdote e pastor, para citar apenas um, que tinha um grande senso de humor e era tão bom [no que fazia] também por causa disso: porque relativizava as coisas. Dizia-se dele que era capaz de rir com os outros, de si mesmo e até mesmo da sua própria sombra", contou Francisco.

Além disso, o religioso argentino também explicou por que acha pior "a falsa admiração de bajuladores" que "suportar os insultos dos seus caluniadores". "Eu tenho alergia dos bajuladores, alergia. Mas isso me vem naturalmente, sabe? Não é uma virtude. Bajular o outro é usar uma pessoa para um fim, escondido ou aparente, mas para obter alguma coisa para si mesmo. E também é indigno", explicou o papa.

"Nós, em Buenos Aires, temos uma expressão portenha, [na qual] chamamos os bajuladores de 'lambe-calças', e a imagem é realmente essa: a de alguém que lambe as calças de outro", concluiu Francisco.

(*) Citada pela Agência Brasil